quarta-feira, 5 de maio de 2010

vestido amarelo


Elle/Moda, foto: Sérgio Nascimento

Vestes o vestido amarelo e sorris
Pões o batom vermelho e olhas no espelho
Balanças a saia rodada e dás uma volta
Prendes na cintura o lenço bordado
Levantas o queixo e em passo solto
Alongas as pernas nas meias de seda

Transbordas sensualidade!

Avanças no tempo devagar
E sem reservas
Lentamente
Apressas o passo
No percurso intemporal
Do amor que adivinhas encontrar

Etiquetas:

3 Comentários:

Blogger Juan Moravagine Carneiro disse...

"Eu vou cantar para a saudade com seu vestido vermelho...e a sua boca...aquele cheiro som imagem do teu corpo incendeia...e um rio carregado de saudade vem correr na minha veia..."

Fragmento de uma canção do Cordel do Fogo Encantado!

5 de maio de 2010 às 20:46  
Blogger Jéssyca Carvalho disse...

Tão sublime olhar sobre o cotidiano!
Bem no jeito do poeta, que coloca sua sensibilidade no papel (ou na tela) pra nos ensinar...
E me ensinas tanto com tuas palavras!

Amei! Muito bom, parabéns!

Beijo!

6 de maio de 2010 às 00:10  
Blogger Zélia Guardiano disse...

Adoro versos inspirados no cotidiano, pois é aí que a poesia está...
Lindo, o seu poema!
Parabéns!
Beijos

PS: Fiquei mais do que feliz com sua visita... Volte sempre!

9 de maio de 2010 às 20:43  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial